outubro
29

read2


Nas gerações que nasceram até os anos 60/70 existia um comportamento comum que era disseminado pelos pais daquela época. Existia uma noção de respeito pela família, pela educação que se ensinava em casa.
Foi a época dos hippies também, nos anos 70 , principalmente nos EUA, país que influencia demais a cultura mundial, com as pessoas pagando seus preços pela vida livre que sonhavam implantar no mundo. Duros preços, muitas vezes, como também pagaram seus preços quem viveu sob famílias controladoras demais aonde tudo era proibido e/ou pecado.

De qualquer forma, existia mais respeito e mais educação naquela época. Isso não podemos negar.
Quando as pessoas passaram a negligenciar os estudos, não valorizar a educação, ser permissivas demais com os filhos, começamos a perceber um declínio geral na sociedade.

A mudança na economia mundial, os novos empregos que surgiram e que inseriram cada vez mais as mulheres em igualdade ou superioridade que os homens no sustento das famílias também foi um fator que mudou culturalmente a maneira de educar os filhos.
Nos dias de hoje não sentimos mais aquele respeito, aquela noção de família como uma unidade à qual nos sentimos pertencentes e pela qual a vida se desenvolve ao redor.

Fatores culturais do mundo em geral, educação em declínio nas próprias famílias, mudança de prioridades no consumo da população, necessidade de compensar as crianças da falta de atenção com bens materiais e pessoas mais individualistas, que precisam saciar as suas vontades em detrimento dos filhos- são alguns pontos que em conjunto transformaram a sociedade , antes pautada na família e em valores, para a sociedade atual- pautada em valores financeiros, individualismo, e falta de respeito com o próximo.
A base para a educação, deve vir da casa de cada um. Dos valores que os pais passam para os filhos. Pensar que as instituições de ensino são responsáveis pela educação é um erro muito grande. Educação vem de casa.

As escolas tem a responsabilidade de formar cidadãos pensantes, com conhecimento e capacidade de raciocinar e tomar decisões justas. Isso é possível quando se ensina os meios para isso, através da cultura. Quanto mais cultura uma pessoa adquire, mais questionadora ela se torna, mais analítica, mais capaz de pensar no que pode ser melhor ou pior para si mesma e para o coletivo.

Vamos diferenciar valores de cultura.
Valores se adquirem em casa, desde o nascimento. É o que vai te acompanhar sempre, o que vai te permitir ou não agir de uma ou de outra forma diante dos desafios da vida. É o que te torna um ser humano digno, correto, único.
Cultura se adquire através da escola, dos estudos. É o conhecimento sobre diversas matérias do mundo , que vai te acompanhar sempre e vai te permitir raciocinar sobre tudo e te dar condições de decidir, de buscar , de questionar e principalmente de transformar o que não está bom.

Na nossa simplicidade de pessoas comuns que trabalham e tem uma vida de luta diária para manter uma casa, pagar as contas e viver dignamente; podemos e devemos ensinar e insistir nos valores humanos.
Educação é isso, ensinar valores e comportamentos que consideramos corretos, éticos, que vão formar pessoas com bases fortes, preparadas para os desafios que a vida impõe.

Educar não é tarefa fácil. Exige persistência, exige sacrifícios e entrega. Trabalho duro que muitas vezes não é valorizado mas que se faz necessário para a formação do ser humano.
O grande desafio é educar em família e proporcionar a cultura necessária que deve acompanhar a formação de cada um.
Um desafio conjunto entre família e instituições de ensino ( públicas e privadas) que devem tomar consciência da importância de suas responsabilidades na formação e constituição das gerações futuras.

Siga-nos no twitter:@sicastillo
www.facebook.com/comunidadeatitudesvencedoras

janeiro
17

Guardar montanhas de objetos que não possuem nenhuma utilidade em casa, com a idéia de que futuramente poderão servir para algo, pode ser mais do que uma simples mania. O acúmulo excessivo de “ sucata” é um dos sintomas de uma patologia conhecida como síndrome de Diógenes.
Esse transtorno é batizado com o nome do filósofo grego do século IV a.C., Diógenes de Sinope. O filósofo vivia e dormias dentro de um barril como mendigo pelas ruas de Atenas, após ter sido exilado de sua cidade natal. A história conta que Alexandre o Grande visitou o famoso filósofo lhe oferecendo o que quisesse e Diógenes apenas pediu para ele sair da frente do seu sol.
A Síndrome de Diógenes é caracterizada por uma grave negligência quanto aos cuidados pessoais e da própria casa, retraimento e isolamento social, incluindo recusa de ajuda para melhorar sua situação e a mania de juntar coisas velhas e lixo. Tais pessoas vivem em um estado de imundície e descaso com a própria aparência( sem nenhuma vergonha) que merecem um diagnóstico psiquiátrico.
Tratar essa Síndrome equivale a tratar um “ prazer” ou comportamento insalubre. Significa dizer ao portador do transtorno que o que lhe torna feliz ou realizado na verdade faz mal. Mais do que um tratamento o que existe é um manejo, uma administração desta condição, através da iniciativa familiar, de agentes de promoção de saúde, assistentes sociais e da própria comunidade.

setembro
29

disciplina Olá pessoal.
O menino pixou a escola e a professora o “castigou” fazendo com que pintasse a parede e apagasse a pixação. A imprensa querendo notícia acabou fazendo um auê se a professora agiu de forma correta ou não…
Sempre tenho falado aqui no blog sobre disciplina como chave para o sucesso. Lembro-me que quando estudava no colégio e estudei em um colégio espanhol de disciplina considerada rígida, havia muitas coisas que não podíamos fazer alí dentro, como por exemplo: namorar, gritar nos corredores, riscar as paredes, as carteiras, coisas assim.. digamos básicas da boa educação… e aquilo fez parte da minha vida de uma forma tão normal e corriqueira que acabávamos ( eu e meus amigos) aceitando e entendendo a disciplina escolar como parte da formação pessoal. Deu certo para mim e para muitas outras pessoas que saíram formadas além da didática.
Tivemos uma lição para a vida toda, aonde aprendemos a respeitar os nossos limites e os das outras pessoas. Vejo a disciplina como algo de extrema importância e necessidade para a formação do caráter, principalmente para quelas pessoas que não tem uma boa base familiar.
O nosso caráter é que vai sustentar nosso sucesso ou ser responsável pelo nosso fracasso.
Portanto é preciso que nossas crianças tenham uma boa base para aprender que regras devem ser obedecidas, que sem regras seria impossível a convivência harmoniosa entre as pessoas, que é preciso ter respeito pelos direitos alheios assim como queremos respeiro pelos nossos direitos… ter disciplina é ser gente, é fundamental.