julho
3

cahorrinha abandonada Olá amigos.
Esta foto é de uma cahorrinha que apareceu na porta da empresa. Seu dono ficou doente e foi internado no hospital e neste período a cachorra fugiu e apareceu na nossa porta. Doente, faminta, sedenta e com um tumor na mama, não parava em pé. Muitas pessoas a viram cambaleante e viraram o rosto, assim como fazemos quando vemos um mendigo ou uma criança doente nas ruas de nossas cidades mas neste caso não fizemos isso não. Os vizinhos unidos em prol de sua recuperação, contaram com a ajuda de outros vizinhos veterinários que passaram a cuidar de sua doença de pele (sarna) e todos os dias a tratavam. Contaram também com a nossa ajuda. Imediatamente providenciamos uma casinha para abrigá-la do frio e da chuva e providenciamos também uma cirurgia para a retirada do tumor que tanto a debilitava.
Com muito orgulho exibo esta foto. A cachorrinha engordou bastante, se livrou das doenças e pode encontrar a felicidade novamente.
Para nossa vida, esse é o exemplo de que por piores que as coisas estejam, elas podem se modificar. A solidariedade ainda existe e Deus é maior que tudo.
Lembrem-se na vida pessoal e profissional : é dando que se recebe. Plantem coisas boas e colham da mesma forma coisas boas, semeiem o bem e o bom trabalho e colham o sucesso.

setembro
11

cães e gatos

cães e gatos

Pesquisadores da Universidade de Tel Aviv, em Israel, parecem ter descoberto o segredo para que gatos e cachorros convivam bem na mesma casa.

De acordo com o estudo, se o gato for adotado antes do cão e se os dois forem apresentados enquanto jovens (menos de 6 meses para o felino e um ano para os cachorros), há uma maior probabilidade de que eles se dêem bem.

“Esta é a primeira vez que alguém faz uma pesquisa científica sobre bichos de estimação que vivem na mesma casa”, afirma Joseph Terkel, professor do Departamento de Zoologia da Universidade de Tel Aviv e líder da pesquisa.

Para conduzir o estudo, os cientistas entrevistaram cerca de 200 pessoas que tinham gatos e cachorros convivendo na mesma casa e filmaram o comportamento dos animais.

Depois de analisarem os vídeos, os pesquisadores da Universidade de Tel Aviv concluíram que, em determinadas condições, o bom relacionamento entre as duas espécies é possível.

Segundos os dados computados pelos cientistas, em dois terços das casas havia uma boa convivência entre as espécies, enquanto brigas foram observadas em apenas 10% dos casos.

Problemas de comunicação

A principal razão dos desentendimentos é o fato de os membros das duas espécies terem dificuldades de se comunicar entre si.

Gatos, por exemplo, costumam sacudir a cauda quando estão nervosos, enquanto cachorros rosnam e ficam com as costas arqueadas. Por outro lado, quando estão felizes, gatos costumam ronronar, enquanto cães balançam o rabo.

“Descobrimos, no entanto, que é possível que gatos e cachorros aprendam a se entender”, explica o professor Terkel, que destaca que as duas espécies, quando convivendo desde filhotes, conseguem desenvolver meios de se comunicar.

Segundo o professor, uma vez que gatos e cachorros estejam familiarizados com a linguagem um dos outros, é possível que eles brinquem e até durmam juntos.

A pesquisa foi publicada na revista científica Applied Animal Behaviour Science